O Problema

(Adaptado da Lista de Roupa Suja)

white and black jigsaw puzzle

Muitos de nós descobrimos que tínhamos várias características em comum como resultado de termos sido criados em um lar alcoólico ou disfuncional. Passamos a nos sentir isolados e desconfortáveis com outras pessoas, especialmente com figuras de autoridade. Para nos protegermos, nos tornamos agradadores, ainda que perdendo nossa própria identidade nesse processo. Da mesma forma, passamos a confundir qualquer crítica pessoal com uma ameaça. Podemos ter-nos tornado alcoólicos (ou desenvolvido outro comportamento viciante) ou nos casado com um, ou ambos. Se isso não aconteceu, encontramos outras personalidades compulsivas, como um viciado em trabalho, para satisfazer nossa necessidade doentia de abandono.

Vivemos a vida do ponto de vista de vítimas. Com um senso de responsabilidade superdesenvolvido, preferíamos nos preocupar com os outros a nos preocupar com nós mesmos. Sentíamos culpa quando nos defendíamos em vez de ceder aos outros. Assim, nos tornamos pessoas que reagiam ao invés de agir, deixando aos outros a tomada de iniciativa. Éramos personalidades dependentes, com pavor de abandono, dispostos a fazer quase tudo para manter um relacionamento a fim de não sermos abandonados emocionalmente. No entanto, continuamos a escolher relacionamentos inseguros, porque eles refletiam nossa relação com pais alcoólatras ou disfuncionais na infância.

Esses sintomas da doença familiar do alcoolismo ou de outra disfunção nos tornaram "covítimas", ou seja, aqueles que assumem as características da doença sem necessariamente jamais terem bebido. Aprendemos a manter nossos sentimentos em segredo quando crianças e os mantivemos enterrados quando adultos. Como resultado desse condicionamento, confundimos amor com pena, tendendo a amar aqueles que podíamos resgatar. Ainda mais autodestrutivos, tornamo-nos viciados em agitação em tudo que fazemos, preferindo a preocupação constante a relacionamentos funcionais. Essa é uma descrição, não uma acusação.